Home » Estilo

Três mulheres: Inspirações das mais elegantes

17 janeiro 2011 3 Comentários Por Costanza Pascolato

Mulheres de diferentes estilos e tipos físicos sempre perguntam se elegância é um aprendizado ou uma característica inata.  Há anos venho dizendo que elegância é, antes de tudo, adequação. Nesse sentido, pode, sim, ser uma bela combinação dessas duas possibilidades _a virtude e o aprendizado_  já  que, seja  qual for a sua personalidade,  optar, por exemplo,  por roupas e joias de apelos mais clássicos sempre ajuda a parecer um pouquinho mais elegante. 
Se essa for a sua intenção, outra alternativa bastante eficiente é observar comportamentos assumidamente old fashion, mas com prazo de validade que não termina nunca. Inspire-se, por mais óbvio que pareça, em mulheres fantásticas transformadas em ícones da elegância e cujas imagens sobrevivem às mudanças da moda.

Grace Kelly - High Society - Wikipedia

Grace Kelly em High Society, filme de 1956

Loiras que querem ser chics e elegantes podem dar um google ou fazer uma pesquisa breve para apreciar e deixar-se contaminar pela imagem da atriz norte-americana Grace Kelly  que, na verdade, foi icônica de verdade antes casar-se com Ranier, de Mônaco, e virar princesa. Será fundamental rever filmes como A Janela Indiscreta, de 1954,  e High Society, 1956.   No primeiro ela  dá uma aula prática de como fazer uma bagagem mínima e  podre de chique para sobreviver a instantes difíceis na companhia de um namorado relutante. No segundo, está distraída e fatalmente glamorosa nos braços de  exasperados pretendentes, entre os quais Frank Sinatra.

 

Jacqueline Kennedys,  Dallas, 1963 - Wikipedia

Jacqueline e John Kennedy, Dallas, 1963

Para morenas de coração, a imagem da primeira-dama americana Jacqueline Kennedy também é sempre estimulante quando o assunto é elegância _ e ambição pessoal. Seus melhores momentos, mais recomendados para inspirar sem parecerem datados, são os de quando, debutante ainda, assinava Bouvier, com cabelos crespos. Com um discretíssimo fio de pérolas e luvas brancas,  hits absolutos dos manuais de esnobismo, ela fez escola.

Ao desfilar  modelos de Oleg Cassini, Givenchy e Chanel, Jackie criou uma imagem cuja elegância fixou-se no imaginário das mulheres a ponto de ser prontamente reconhecível, estranhamente familiar,  até entre os que  não testemunharam a época. Depois de casar-se com Aristóteles Onassis, conseguiu manter o foco da elegância e estilo apesar de fazer de todos os  excessos e provocações (ao neo-marido mal comportado) comprando alucinadamente, inclusive coisas que jamais usaria.
 

Audrey Hepburn e William Holden - Sabrina - Wikipedia

Audrey Hepburn e William Holden no filme Sabrina, de 1954

Para fechar o trilogia clássica de elegantes de aparência inspiradora, como entender a misteriosamente contemporânea Audrey Hepburn dos filmes Sabrina e Roman Holiday, de cabelos curtos, namorando em cena os gatos mais cool daqueles tempos. Com sua imagem de Cinderela, começou  a embaralhar classes sociais tradicionais ao abrir a janela do glamour e vislumbrar  a distinção vigente. Cabelos longos presos num “coque banana” e exibindo “luzes” até então inéditas,  classuda e romanticamente aventureira, a Audrey de Breakfast at Tiffany’s ainda serve como modelo absoluto para encantadoras afoitas de hoje. Sempre na maior elegância.

 >>>Por: Costanza Pascolato

  • Twitter
  • LinkedIn
  • Facebook
  • FriendFeed
  • MySpace
  • Plaxo Pulse
  • Google Bookmarks
  • Yahoo Buzz
  • Windows Live Favorites
  • Delicious
  • Digg
  • Share/Bookmark

Deixe seu comentário!

Adicione o seu comentário abaixo, ou link o artigo em seu site. Você também pode acompanhar os comentários subscribe to these comments via RSS.

Para ter uma imagem personalizada em seus comentários clique aqui.